HUME E O CETICISMO

Alexandre Arbex Valadares

Resumo


O presente artigo propõe uma leitura da filosofa de Hume, especialmente de sua teoria do conhecimento (ou da sua impossibilidade), à luz de sua relação com o ce-ticismo. Assinalando o caráter controverso dessa filiação, o texto expõe inicial-mente os pontos principais da crí­tica de Hume ao ceticismo antigo, e os seus ar-gumentos em favor da um ceticismo dito moderno, que, sem converter-se em mé-todo, como em Descartes, demarcaria, revelando os limites da natureza humana, o campo mesmo da experiência e da investigação cientí­fica. Em seguida, tem lugar uma apresentação dos conceitos de impressões e ideias, com base nos quais Hume propõe, como crí­tica à noção de causalidade ou ao princí­pio de razão, a sua teoria da associação de ideias. Por fim, é analisado o papel do hábito e da crença na pro-dução do conhecimento.

Palavras-chave: Hume; Ceticismo; Causalidade.

Palavras-chave


Hume; ceticismo; causalidade

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Portal Eletrônico: Revista Filosofia Capital _________________________________________________________________________________________________________________ Licença Creative Commons
FILOSOFIA CAPITAL de REVISTA FILOSOFIA CAPITAL está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.filosofiacapital.org/. _________________________________________________________________________________________________________________________ Copyright 2006. Revista Filosofia Capital-RFC ISSN 1982-6613 Brasí­lia-DF. Todos os direitos reservados.