KIERKEGAARD TRIUNFOU: OU COMO CONTRAPOR OS ARGUMENTOS DE UM RELOJOEIRO

Fransmar Costa Lima

Resumo


O presente texto trata a questão da subjetividade e suas implicações na formulação da contemporaneidade a partir do pensamento de Kierkegaard. Procura refletir sobre algumas notas do texto de Theodor Adorno intitulado Kierkegaard outra vez, de 1963, na qual o pensador alemão retoma, com uma análise aprofundada a obra do filósofo dinamarquês, objeto de sua Tese de Habilitação (1931). Nossa reflexão parte da transgressão do conceito de subjetividade que Kierkegaard propõe ao romper com a tradição hegeliana e, em seguida, partindo da crí­tica de Adorno diz algo sobre a cultura contemporãnea, sugerindo uma perspectiva que contemple a individualidade em sua completude.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Portal Eletrônico: Revista Filosofia Capital _________________________________________________________________________________________________________________ Licença Creative Commons
FILOSOFIA CAPITAL de REVISTA FILOSOFIA CAPITAL está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.filosofiacapital.org/. _________________________________________________________________________________________________________________________ Copyright 2006. Revista Filosofia Capital-RFC ISSN 1982-6613 Brasí­lia-DF. Todos os direitos reservados.