SUJEITO LIVRE, E DE SEXUALIDADE OPRESSORA

Lucas Paulo Golin Xavier do Nascimento

Resumo


Esse artigo trata-se de uma análise através do pensamento e filosofia de Baruch de Espinosa e Michel Foucault, sobre a concepção do sujeito livre pela necessidade da substância infinita (Deus) e da natureza dos desejos do homem perante as estratégias de poder que manipulam e oprimem a liberdade do homem quando se trata de sua sexualidade e prazeres. Diante de todo o aparato histórico, religioso, social e com o advento do biopoder no século XVIII, o homem se vê obrigado a mostrar uma postura viril perante a sociedade, anulando seus desejos e garantindo à classe dominante força e poder sobre o corpo e o uso dos prazeres em vista dos meios de produção e do capital.

Palavras-chave


Liberdade, Sexualidade, Virilidade

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Revista Filosofia Capital - ISSN 1982-6613

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Portal Eletrônico: Revista Filosofia Capital _________________________________________________________________________________________________________________ Licença Creative Commons
FILOSOFIA CAPITAL de REVISTA FILOSOFIA CAPITAL está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.filosofiacapital.org/. _________________________________________________________________________________________________________________________ Copyright 2006. Revista Filosofia Capital-RFC ISSN 1982-6613 Brasí­lia-DF. Todos os direitos reservados.